Holistika

Um espaço que trata da saúde da alma, da mente e do corpo

Oração dos Índios

No dia 19 de abril, data em que se festeja o Dia do Índio no Brasil, não há muito o que comemorar. Mas mando meu recado a todos os povos indígenas do planeta, com a seguinte oração:

Chief Joeseph, povo Wallowa (Idaho/EUA)

“Oração dos Índios

Oh grande Espírito! Cuja voz escuto nos ventos, cujo respiro dá vida a todo o mundo, escuta-me:

Eu chego a ti, um entre teus tantos filhos; sou pequeno e débil. Necessito tua força e sabedoria.

Deixa que caminhe na beleza e que meus olhos guardem o vermelho e púrpura do sol que se põe.

Faz com que minhas mãos saibam respeitar as coisas que criaste, e que meus ouvidos sejam abertos para escutar tua voz.

Faz-me sábio, para que possa compreender as coisa que ensinaste a meu povo, a lição escondida em cada folha e pedra.

Busco a força, não para ser superior a meus irmãos, se não para ser capaz de lutar contra meu maior inimigo: eu mesmo.

Faz-me sempre digno de chegar a ti, com as mãos limpas e olhar reto, assim quando a vida se desvanecer como um sol que se põe, meu espírito chegue a ti sem vergonha.”

(Índios Peles Vermelhas da América do Norte)

 

CONDUTA DE MISERICÓRDIA – Joana de Ângelis

Enviado por minha chefe, que é espírita. Um belo texto.

———————–

Este cavalheiro insolente, agressivo, que parece dominador,
e que, tomando o caminho, investe contra os teus direitos,
encontra-se gravemente enfermo, não tendo dimensão do mal
que o consome.

Aquela dama, frívola e irreverente, que parece desejar
submeter o mundo aos pés, assinalada pelo excesso de jóias
e tecidos caros, tem o coração dilacerado por terríveis
frustrações, que não consegue superar.

Esse jovem rebelde, que desdenha as leis a assoma na tua senda
com o cinismo afivelado à face, padece conflitos íntimos que
o vergastam e aos quais não pode fugir.

Estoutro senhor, de cenho carrancudo a aspecto amargo, que não
logra dissimular a arrogância de que se vê objeto, tem medo de
ser conhecido pelas fraquezas morais que carrega interiormente.

Esta moça, quase despida, que exibe o corpo e a alma ao
comércio da luxúria, invejada por uns e por outros malsinada,
viva ralada pela carência de um amor verdadeiro que a
dulcifique e felicite.

O rapaz que expõe o corpo, para o jogo exaustivo dos prazeres
fáceis, símbolo e modelo de beleza, vive aturdido na timidez
que o neurotiza, obrigado a uma exteriorização que o aniquila
a pouco e pouco.

No festival dos sorrisos humanos, no banquete dos triunfos
sociais a na passarela da fama as criaturas não são o que
demonstram, mas, sim, um simulacro do que não conseguem
tornar-se.

É certo que há exceções, como não poderia deixar de ser, o
que mais afirma a regra geral.

A pobreza andrajosa, a polidez da face de bom comportamento,
a voz melíflua, suave, certamente não significam
personalidades humildes e resignadas, a um passo do triunfo
sobre as vicissitudes.

Muitas provêm de incontida revolta, de sentimentos
desesperados, de vidas em estiolamento pela mágoa e pela
rebeldia.

Por isto, não julgues ninguém pela aparência, ou melhor,
não te arvores a julgamento algum com desconhecimento da
causa reta.

Torna-te tolerante, embora sem conivir.

O problema de cada um, a cada qual pertence.

Sê um momento de esperança para quem te busque, ou uma
oportunidade de renovação para quem te perturbe ou desafie,
mantendo-te em paz contigo mesmo em qualquer situação.

Da mesma forma que o teu exterior não te reflete a realidade
interna, os passantes pelo teu caminho, igualmente, vivem
essa dicotomia de comportamento.

Jesus, que identificava a causa das aflições humanas e
penetrava o âmago dos corações, por isto mesmo não julgava,
não condenava, não desconsiderava ninguém.

Seguindo-Lhe o exemplo e exercendo misericórdia para com o
teu próximo, quando, por tua vez, necessites de apoio, não
te faltarão o socorro da compreensão e da amizade que alguém
te dispensará.

[Joanna de Ângelis]

A Lua está encolhendo?!

Sou fã da Lua. Tomei um susto ao ler uma matéria que informa sobre o encolhimento dessa esfera branquinha que flutua “sacando” a Terra lá do espaço.

——————————

O portal Terra traz matéria explicando o fenômeno.

“Lua está encolhendo como uma maçã velha, diz estudo da Nasa (veja texto na íntegra)

A Lua encolheu como uma maçã velha, revelam imagens da Nasa, que explica esta contração pelo resfriamento interno do único satélite natural da Terra. Essas imagens, publicadas nesta quinta-feira na revista americana Science, mostram modificações na superfície da Lua não detectadas anteriormente, indicando que sua circunferência “retraiu cerca de 100 metros em um curto período de tempo”, explicou Thomas Watters, do Museu Nacional do Ar e do Espaço e principal autor desse trabalho.”

Cronos – com todo o tempo do mundo

O Eremita - Tarô Lunatic

O velho e bom Eremita. Há muito não o olhava nos olhos. Há muito não dedicava à sua santa figura um momento de atenção. Falta de tempo? Talvez. O mais provável é que eu tenha negligenciado sua existência e os  ensinamentos de quem já caminhou muito, já viu de um tudo e pouco fala.

O momento é de silêncio, introspecção, lentidão ao ruminar as ideias, os fatos. Passo a passo, vou seguindo o caminho. Vez por outra piso em uma pedrinha, vez por outra encontro um calçamento lisinho e gelado, refrescante para os calos.

O momento também é de deixar fervilhar os pensamentos e as lembranças. Tenho identificado muitos momentos agradáveis do passado através de cheiros, lugares, músicas, roupas e pessoas. Esta semana já voltei ao passado umas 15 vezes. É legal quando a viagem nesse túnel do tempo nos leva a boas paragens. Nem sempre isso acontece, mas a vida não é um parquinho de diversões, mas também não chega a ser um filme de terror.

Quando somos jovens temos pressa, andamos rápido, quase não pensamos antes de agir e inevitavelmente muitas vezes quebramos a cara. Na velhice, nossos gestos são mais lentos, num simples virar de rosto, ao levantar de uma cadeira, ao caminhar. Vejo tanta beleza e autoridade nisso. O envelhecer. Não falo da decreptude nem da senilidade, mas do entardecer do corpo e da mente, que pouco a pouco vão apagando as luzes de uma vida trilhada. Mas, enquanto esse declínio se dá, a alma brilha! A mim parece que a alma vai ficando cada vez mais límpida e pura novamente, com o passar dos anos, como quando éramos bebês.

Tão linda a inocência dos velhos de cabelos brancos e faces vincadas! Tão linda a pureza dos olhos das crianças que ainda não conhecem a mentira!

{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}{@}

Veja vários baralhos de Tarô em Taroteca

O olhar da Monalisa

Tomei um susto quando tirei A Justiça ao sortear entre as cartas do tarô. Uma bela cena. Uma bela mensagem de símbolos. Uma bela visão.

A visão de uma mulher imóvel, impassível, que porta uma balança, cujos pratos estão equilibrados. Estática, mas viva. O olhar perdido (e cego) d’A Justiça me faz lembrar o olhar enigmático da Monalisa. Em que pensava aquela mulher na tela?

A Justiça - Tarô Nigel Jackson

A Justiça me parace, neste momento, um símbolo de “pagamento”, “retorno”, ” devolução”, “bumerangue”. O que há de bom e o que há de ruim está voltando para mim. Na verdade, eu me sinto, talvez pela primeira vez, não observando A Justiça e tentando adivinhar-lhe os significados, mas tenho a sensação de que EU estou agora vendo o mundo de sua perspectiva. E isso é absolutamente fantástico, porque me vejo sensata, tranquila, mas muito atenta e criteriosa para avaliar tudo o que está à minha volta. A gente normalmente fica olhando os arcanos do lado de cá, mas raramente nos colocamos no lugar deles para tentar entender o universo.

Ao ensaiar me pôr no lugar d’A Justiça me sinto içada à sua altura, à sua coerência. É uma grande honra. Agora, a melhor ação é a inércia.

———————————————-

Veja vários baralhos de tarô em Taroteca.

Cine-debate com entrada gratuita no Instituto Junguiano da Bahia

Para quem busca autoconhecimento através da arte, um programa imperdível é assistir ao cine-debate que acontece periodicamente no Instituto Junguiano da Bahia, no bairro de Brotas. O cine-debate segue um calendário que se encontra no site do instituto, (www.ijba.com.br). O evento acontece sempre às quintas-feiras, às 18 horas, quando é projetado o filme, e às 20 horas inicia-se o debate. Para cada filme há um profissional que prepara o debate e mobiliza as pessoas para, independentemente de terem ou não um conhecimento prévio da psicologia de C. G. Jung, absorver essa teoria na análise do filme.

O objetivo do debate é passar, de forma leve e numa linguagem adequada a um público misto, as noções do modelo da psicologia de D. G. Jung. No próximo dia 10 de junho, a psicóloga junguiana Ana Farias debaterá sobre o filme ELEPHANT, de 2003, ganhador da Palma de Ouro no Festival de Cannes. 

Abaixo, o professor Carlos Sampaio, que dirige a instituição, faz um breve histórico a respeito do surgimento do instituto e do cine-debate:

A Abordagem junguiana da Psicologia nos cursos Universitários do Estado da Bahia, era praticamente desconhecida nos meios acadêmicos na década de 90. O único curso de Psicologia existente, ministrado pela Universidade Federal da Bahia, era predominantemente influenciado por três correntes: Psicanálise Freudiana, Comportamentalismo e Gestalt. Este desconhecimento começou a ser superado em 1995 quando foi criado no Instituto Junguiano da Bahia o I Curso de especialização Lato Sensu em Psicoterapia Analítica, imediatamente colocado sob a chancela da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, mantida pela Fundação para o Desenvolvimento das Ciências. Com esse compromisso de pioneirismo, tivemos a preocupação de divulgar a Psicologia de C. G. Jung a todos que pudessem ter interesse pelo mundo das artes. Em 1998 lançamos o cine-debate discutindo o recém lançado filme: O ADVOGADO DO DIABO, com Al Pacino e Keanu Reeves.

O que nos fez escolher os filmes?

Assistir a um filme é um dos rituais profano. Ele é profano no sentido de que sua dimensão simbólica está  implícita ou inconsciente. Mas todos os aspectos do ritual estão presentes. O fato de esperar em fila já começa a pôr o ego à prova. Não há nada para fazer, a não ser comer pipoca, enquanto se espera numa fila. A vontade individual vai para o Segundo plano e nossa mente se torna mais aberta às impressões aleatórias. Passo a passo você se aproxima do limiar do interior, tanto do cinema como do si-mesmo. Nesse momento, a alma está preparada para ser levada de volta às suas bases. Ai, como diz Mircea Eliade, entramos no vôo da fantasia mítica. Esse foi um dos motivos dessa escolha. 

GINÁSTICA MENTAL

 Atividades em grupo para desenvolver as potencialidades do cérebro, estimulando a memória

Exercícios mentais- Ginástica cerebral- Neuróbica- Relaxamento físico e emocional- Atividades artísticas- Visualizações criativas

Público alvo: adultos e idosos

Encontros: 2h semanais

Local: CIS Prof. Fernando Filgueiras – Av. Garibaldi, 147, sala 406 – Ondina – Salvador – BA

Facilitadoras: Celeste Carneiro – Arteterapeuta, Terapeuta Junguiana e Transpessoal, Educadora. Autora do livro Criatividade e Cérebro.

Contato: (71) 3237-5570 / 8874-1155

cel5@terra.com.br

www.artezen.org

http.//criatividadeecerebro.blogspot.com/

Mariza Saba – Educadora, Bióloga

Contato: (71) 9134-5229 – marizasaba@hotmail.com